Brasileiro não gosta de ler?

A meninada precisa ser seduzida. Ler pode ser divertido
e interessante, pode entusiasmar, distrair e dar prazer

Lya Luft

Não é a primeira vez que falo nesse assunto, o da quantidade assustadora de analfabetos deste nosso Brasil. Não sei bem a cifra oficial, e não acredito muito em cifras oficiais. Primeiro, precisa ser esclarecida a questão do que é analfabetismo. E, para mim, alfabetizado não é quem assina o nome, talvez embaixo de um documento, mas quem assina um documento que conseguiu ler e… entender. A imensa maioria dos ditos meramente alfabetizados não está nessa lista, portanto são analfabetos – um dado melancólico para qualquer país civilizado. Nem sempre um povo leitor interessa a um governo (falo de algum país ficcional), pois quem lê é informado, e vai votar com relativa lucidez. Ler e escrever faz parte de ser gente.

Sempre fui de muito ler, não por virtude, mas porque em nossa casa livro era um objeto cotidiano, como o pão e o leite. Lembro de minhas avós de livro na mão quando não estavam lidando na casa. Minha cama de menina e mocinha era embutida em prateleiras. Criança insone, meu conforto nas noites intermináveis era acender o abajur, estender a mão, e ali estavam os meus amigos. Algumas vezes acordei minha mãe esquecendo a hora e dando risadas com a boneca Emília, de Monteiro Lobato, meu ídolo em criança: fazia mil artes e todo mundo achava graça.

E a escola não conseguiu estragar esse meu amor pelas histórias e pelas palavras. Digo isso com um pouco de ironia, mas sem nenhuma depreciação ao excelente colégio onde estudei, quando criança e adolescente, que muito me preparou para o mundo maior que eu conheceria saindo de minha cidadezinha aos 18 anos. Falo da impropriedade, que talvez exista até hoje (e que não era culpa das escolas, mas dos programas educacionais), de fazer adolescentes ler os clássicos brasileiros, os românticos, seja o que for, quando eles ainda nem têm o prazer da leitura. Qualquer menino ou menina se assusta ao ler Macedo, Alencar e outros: vai achar enfadonho, não vai entender, não vai se entusiasmar. Para mim esses programas cometem um pecado básico e fatal, afastando da leitura estudantes ainda imaturos.

Como ler é um hábito raro entre nós, e a meninada chega ao colégio achando livro uma coisa quase esquisita, e leitura uma chatice, talvez ela precise ser seduzida: percebendo que ler pode ser divertido, interessante, pode entusiasmar, distrair, dar prazer. Eu sugiro crônicas, pois temos grandes cronistas no Brasil, a começar por Rubem Braga e Paulo Mendes Campos, além dos vivos como Verissimo e outros tantos. Além disso, cada um deve descobrir o que gosta de ler, e vai gostar, talvez, pela vida afora. Não é preciso que todos amem os clássicos nem apreciem romance ou poesia. Há quem goste de ler sobre esportes, explorações, viagens, astronáutica ou astronomia, história, artes, computação, seja o que for.

O que é preciso é ler. Revista serve, jornal é ótimo, qualquer coisa que nos faça exercitar esse órgão tão esquecido: o cérebro. Lendo a gente aprende até sem sentir, cresce, fica mais poderoso e mais forte como indivíduo, mais integrado no mundo, mais curioso, mais ligado. Mas para isso é preciso, primeiro, alfabetizar-se, e não só lá pelo ensino médio, como ainda ocorre. Os primeiros anos são fundamentais não apenas por serem os primeiros, mas por construírem a base do que seremos, faremos e aprenderemos depois. Ali nasce a atitude em relação ao nosso lugar no mundo, escolhas pessoais e profissionais, pela vida afora. Por isso, esses primeiros anos, em que se aprende a ler e a escrever, deviam ser estimulantes, firmes, fortes e eficientes (não perversamente severos). Já se faz um grande trabalho de leitura em muitas escolas. Mas, naquelas em que com 9 ou 10 anos o aluno ainda não usa com naturalidade a língua materna, pouco se pode esperar. E não há como se queixar depois, com a eterna reclamação de que brasileiro não gosta de ler: essa porta nem lhe foi aberta.

Fonte: Veja

Anúncios

5 Respostas to “Brasileiro não gosta de ler?”

  1. Personal Trainer e Personal Fitness Says:

    Acho que o problema vem de casa e das escolas que não incentivam desde cedo as crianças a lerem.

    Maisa

  2. Leocádia Says:

    Incentivo deve vir de casa. Mas às vezes o que podemos perceber é que a maioria dos pais não terminou o ensino fundamental e tão poucos iniciaram um ensino médio. As crianças vão para a escola achando que estudar é difícil e ler é perda de tempo. Então, os pais devem incentivar a criança dizendo das oportunidades boas que elas irão ter se lerem, e as escolas em parceria com pais e comunidade devem fazer sua parte mostrando esse lado bom de oportunidades que a leitura proporciona.

  3. jacqueline Says:

    Os pais tem q Incentivar quando pequenos a importânciade ler, dar de presentes livros em vez de dar apenas brinquedos. Os professores deveriam trabalhar com mais textos e livros e debater em sala de aula.Com a leitura eles conseguem se comunicar melhor, ter conhecimentos e melhorar a escrita,só temos a crescer.

  4. Silvia Moreira Says:

    O Brasil não gosta de ler. O Brasil gosta de ouvir e falar como os papagaios.O discurso é longo… Existem pessoas que odeiam livros, dizem que livro dá alergia, que livro é dificil, que dá poeira. Um pais que faz um projeto de alfabetização que se chama TOPA para ensinar a ler e a desenhar o nome pessoas de 30,40,50, 60 anos ou mais pode ser um pais de leitores?.E os politicos organizadores do TOPA ainda se orgulham disso. Lamento!Analfabetos, semi-analfabetos, analfabetos funcionais podem gostar de ler? O Brasil pode gostar de ler?

  5. Maria Giselda Gomes Garcia Says:

    O brasileiro NÃO gosta de LER, porque são ensinados a se preocuparem com futilidades, tais como “comprar roupas”, para ostentarem uma falsa realidade de classe. Não gostam de ler porque ir a baladas catar meninas, e rapazes é mais proveitoso para os jovens, agitar sem precisar pensar no futuro. O salário que ganham se trabalham, na MAIORIA dos jovens é para gastar com bebidas, cigarros, e garotas! O jovem brasileiro vive conforme seus momentos, não usam nem os dez por cento de sua cabeça. É cultura defasada, que já vem de suas próprias casas, onde a própria família incentiva esse tipo de vida, como eles também viveram, e não existiampensamentos para compra de um bom livro e ler.Porque o imediatismo é melhor, agir sem pensar, acasalar, fabricar filhos, etc… Não há progresso dessa maneira e nem evolução, se não existirem autoridades e educadores de pulso firme, para mudarem o rumo desta ignóbil cultura deteriorada.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s